Xiaomi Mi 9 passa em teste de resistência mas revela um truque “Apple”

O novo flagship da Xiaomi foi apresentado oficialmente na Europa no passado dia 24 de Fevereiro, em Barcelona.

A acompanhar o SoC Snapdragon 855 temos 6GB de memória RAM e armazenamento em configurações de 64 e 128GB, com conectividade 5G, um display AMOLED com sensor de impressões digitais e um setup de tripla câmara traseira com carregamento sem fios.

Estas especificações equiparam o Mi 9 a outros smartphones de topo lançados este ano e surgem num equipamento com preço a rondar os 450€, o que o torna bastante atrativo.

Ainda assim o mercado continua um pouco desconfiado da qualidade de construção destes equipamentos dado o seu preço – que na verdade é apenas mais competitivo, ponto.

O youtuber JerryRigEverything é conhecido por colocar à prova a tecnologia ao mau uso, sejam riscos, quedas, dobras, enfim: tudo aquilo que possa imaginar de mau feito num telemóvel.

A “vítima” mais recente foi o Xiaomi Mi 9 e ao que parece passou com distinção:

O ecrã e restantes superfícies em vidro riscam apenas com materiais no nível 6 da escala de Mohs, a estrutura é capaz de aguentar à força da manipulação das nossas mãos e detalhes como o auscultador e botões laterais são resistentes também a má utilização.

Mas nem tudo é 100% verdade

Na apresentação e nos detalhes do smartphone o vidro que reveste as câmaras traseiras é anunciado como “vidro safira” – o que não existe: ou é vidro, ou é safira.

Também poderá interessar  POCO F1 preparado para Quick Charge 4.0?

Na verdade esta designação não é nova e a Apple também já anteriormente tinha citado este tipo de material.

O que acontece é que o vidro é resistente até ao nível 6 da escala de Mohs enquanto que a safira é bem mais resistente a riscos, cedendo apenas a nível 8. E é aqui que está a questão: o vidro das câmaras parece ceder e apresentar riscos subtis a nível 6. Mas ainda assim a condutividade do material é bem superior à do vidro e por isso, segundo o autor do video, parece haver uma mistura de materiais entre vidro e safira.

A verdade é que pelo valor do equipamento não podemos exigir uma superfície pura em safira e o smarpthone tem um vasto leque de características que justificam – e bem – o valor nele investido.

aparicio

Editor in Chief, Journalist and Camera guy

Deixa-nos a tua opinião